Numa carta enviada aos responsáveis da União Europeia, mais concretamente ao Vice-Presidente da Comissão Europeia, Frans Timmermans, e a três Comissários europeus, a Federação Europeia de Transportes e Ambiente (T&E), de que a portuguesa associação Zero faz parte, e várias empresas de navegação e comércio marítimo (incluindo a DFDS, a CMB, a Viking Cruises e a Trafigura), apontam o hidrogénio verde e a amónia como combustíveis sustentáveis na navegação e passíveis de serem produzidos em quantidades suficientes para a descarbonizar.

Nessa mesma carta, os subscritores declaram que os biocombustíveis não oferecem uma alternativa sustentável para o transporte marítimo, já que os biocombustíveis tradicionais têm mais emissões implícitas que os combustíveis fósseis, e os avançados, que poderão fazer reduzir as emissões, não terão produção em quantidade suficiente.

União Europeia deve enviar sinal claro a potenciais investidores

“Por isso, a União Europeia (UE) na iniciativa FuelEU, em lugar de promover o uso de biocombustíveis, deve enviar um sinal claro aos potenciais investidores para se concentrarem em hidrogénio e amónia baseados em eletricidade renovável”, aponta a associação Zero em comunicado.

A Federação Europeia de Transportes e Ambiente é clara na sua posição: “O hidrogénio verde e a amónia oferecem um futuro limpo para o setor do transporte marítimo. A União Europeia deve, por isso, proporcionar à indústria marítima a confiança necessária para os investimentos requeridos, exigindo aos operadores marítimos do comércio europeu esta mudança progressiva”.

Segundo a Federação Europeia de Transportes, “mundialmente, serão necessários 1,4 biliões de euros em investimentos para produzir hidrogénio verde e amónia para a indústria naval em quantidade suficiente. A Comissão Europeia deve aproveitar esta oportunidade para criar novos empregos e apoiar um crescimento económico sustentável em linha com o Pacto Ecológico Europeu”.

Sabia que…
… na Europa, o transporte marítimo é responsável por cerca de 13% das emissões de gases de efeito estufa no setor dos transportes?

De acordo com os ambientalistas, ao contrário dos biocombustíveis avançados, o hidrogénio verde e a amónia podem ser escalados para atender progressivamente à procura de energia da indústria marítima global, e mesmo os maiores navios podem ser movidos por estes combustíveis: “É chegada a hora da Comissão Europeia mudar o enfoque nos biocombustíveis ‘rápidos e sujos’ para alternativas verdadeiramente sustentáveis”.

Hidrogénio verde e amónia representam propulsão zero em carbono e podem ser produzidos em quantidades virtualmente ilimitadas

A T&E sublinha o facto do hidrogénio verde e da amónia representarem uma propulsão zero em carbono e podem ser produzidos em quantidades virtualmente ilimitadas. “Atualmente ambos são muito caros em comparação com os combustíveis fósseis, mas os custos de produção reduzir-se-ão com economias de escala. Para justificar grandes investimentos em eletrolisadores para produzir hidrogénio verde e em produção de amónia pela indústria, a política europeia de combustíveis marítimos deve enviar um sinal claro aos investidores sobre a procura destes combustíveis no futuro, fazendo-os concentrar neles e nas respetivas tecnologias de propulsão”, salienta a Federação.

Francisco Ferreira, Presidente da Zero, defende que “a produção de hidrogénio verde e de amónia em Portugal para descarbonizar a grande movimentação portuária do nosso país, aliada à adaptação ou construção de navios movidos a estes combustíveis, deve estar na frente das prioridades da implementação da nossa Estratégia Nacional de Hidrogénio”.

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of