Os veículos autónomos vão revolucionar não apenas o modo como nos deslocamos como também a forma de nos relacionarmos, uns com os outros, nas cidades.

O motivo é simples: há mais de um século que os automóveis com motores a combustão têm feito parte do típico som das cidades. Os peões e os ciclistas ficam alerta quando ouvem um automóvel a aproximar-se podendo, mesmo sem olhar, saber se a viatura está a acelerar ou não. Para além disso, outros sons têm contribuído para a comunicação entre estes interlocutores como as buzinas ou o contacto visual que se consegue estabelecer.

No futuro, este formato de comunicação promete ser alterado. Como poderá funcionar a comunicação perante veículos autonómos e elétricos? De que forma poderemos ouvir e sentir a presença de viaturas praticamente sem som e sem condutor?

veículos autónomos
Concept Volvo 360c (interior)

A solução poderá estar debaixo de água. A Volvo Cars está a pesquisar uma tecnologia inovadora que utiliza ultrassons provenientes de altifalantes paramétricos para estabelecer uma ligação entre os veículos autónomos e os peões e ciclistas semelhante aos já utilizados nas sondas dos submarinos.

Esta ligação é feita essencialmente através de um feixe de som ultrassónico que é direcionado diretamente para o peão ou para o ciclista.

A Volvo Cars está a pesquisar uma tecnologia inovadora que utiliza ultrassons provenientes de altifalantes paramétricos

Ao aproximar-se dos corpos detetados, o feixe de som será modulado numa faixa de frequência que só os mesmos poderão ouvir. Desta forma um peão, por exemplo, será efetivamente alertado para a presença do automóvel, sem perturbar mais ninguém.

Esta tecnologia está ainda numa fase embrionária de desenvolvimento mas faz parte dos estudos da Volvo para criar uma linguagem universal compreensível e acima de tudo segura para a comunicação dos veículos autónomos.

A Volvo lança este debate a partir do concept 360c – a sua proposta de automóvel de futuro.

veículos autónomos
Protótipo Volvo 360c

Como serão e como soarão as cidades do futuro? De que forma será possível integrar automóveis autónomos? Será que uma comunicação de sons externos, luzes coloridas ou subtis e movimentos será suficiente para comunicar as intenções do veículo para outros outros motoristas, ciclistas e peões?

“O padrão de comunicação tem de ser global e entendível por todos” -Mikael Ljung Aust – Senior Technical Leader – Volvo Cars Safety Centre

veículos autónomos
Mikael Ljung Aust

“Se pretendemos estabelecer um padrão global de comunicação, teremos de seguir algumas regras. Em primeiro lugar, teremos de falar uma linguagem que todos entendam, caso contrário, não será global. Depois, terá de ser uma linguagem rápida pois não podemos pedir às pessoas que tragam um manual para o trânsito para procurar o ano e o modelo do automovel específico com o qual se estão a cruzar”, afirma Mikael Ljung Aust – Senior Technical Leader – Volvo Cars Safety Centre

.

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of