O navio hidro-oceanográfico D. Carlos I regressou à Base Naval de Lisboa, no Alfeite, após realizar uma campanha científica de 9 semanas, no Arquipélago dos Açores.

A campanha científica consistiu no levantamento hidrográfico, com os sistemas sondadores multifeixe de bordo, de 10 montes submarinos com especial interesse para o estudo dos ecossistemas do mar profundo, num raio de 100 milhas náuticas (mais 185 km) do grupo central do Arquipélago dos Açores.

Foto: Marinha Portuguesa

O navio hidro-oceanográfico D. Carlos I atracou na Base Naval de Lisboa esta segunda-feira, 10 de agosto, perfazendo 62 dias de missão e 970 horas de navegação, tendo percorrido 6800 milhas náuticas (mais de 12.593 km).

Foto: Marinha Portuguesa

Este trabalho acrescentou cerca de 37.500 km2 sondados ao Mapeamento do Mar Português, no âmbito do programa SEAMAP 2030 e da cooperação com o Governo Regional dos Açores.

Programa SEAMAP 2030

O programa SEAMAP 2030 (Mapeamento do Mar Português) tem como objetivo a caracterização da natureza dos fundos marinhos, na perspetiva de serviço hidrográfico nacional, numa abordagem multidisciplinar, contribuindo para aumentar o conhecimento nas áreas estratégicas de interesse nacional e para promover as atividades de desenvolvimento tecnológico, exploração sustentável dos recursos e investigação científica associadas às Ciências do Mar.

O projeto visa “permitir a aquisição e processamento de dados para desenvolver produtos finais como cartografia náutica, mapas de informação diversa dos fundos marinhos e conhecimento do mar português”.

Foto: Marinha Portuguesa

 

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of