Gulbenkian ajudou a levar arco-íris às crianças de Idanha-a-Nova

0
285

A Academia Gulbenkian do Conhecimento de Idanha-a-Nova concretizou um interessante projeto educativo para que um total de 108 alunos dos 3º e 4º anos pudessem continuar a ter contacto com a escola, durante o que restou do ano letivo 2019/2020, em plena pandemia e confinamento.

A Academia Gulbenkian do Conhecimento de Idanha-a-Nova tem o apoio da Fundação Gulbenkian, sendo um projeto que resulta de uma parceria entre a Câmara Municipal de Idanha-a-Nova, o Agrupamento de Escolas José Silvestre Ribeiro e o Centro Municipal de Cultura e Desenvolvimento, associação de desenvolvimento local.

Quando o confinamento foi decretado, os referidos alunos trabalhavam o livro “Os Sarilhos do Amarelo”, um texto do autor de Pedro Rosário que descreve um conjunto de aventuras vividas pelas cores do arco-íris em busca do seu amigo Amarelo perdido no bosque.

A partir do livro, a equipa de Pedro Rosário propõe atividades para trabalhar competências sociais e emocionais nas crianças e jovens.

Todavia, com o fim precipitado das aulas presenciais, as atividades ficaram comprometidas.
Porém, com o apoio da Fundação Gulbenkian, foi possível dar continuidade ao projeto letivo, ainda que noutros moldes.

As atividades das crianças continuaram pela internet, pelo correio
e pela rádio em Idanha-a-Nova.

O trabalho que era habitualmente realizado em sala de aula teve de ser reinventado, para se adaptar ao período de confinamento.

O livro começou por ser enviado a cada uma das crianças por correio. A partir de maio, um “guião da semana” serviu para continuar a aventura deixada em suspenso. Quem quisesse, lia os capítulos do livro que seriam trabalhados nessa semana; quem não quisesse (ou não pudesse), ouvia-os pela rádio, dado que a iniciativa contou com a colaboração da Rádio Clube Monsanto, cujo espaço em antena às terças-feiras, entre as 19:10h e as 19:30h estava reservado para a Academia Gulbenkian do Conhecimento de Idanha-a-Nova.

O guião dava indicações para o que viria a seguir: responder a uma série de perguntas, fazer uma atividade (sozinho ou em família).

Ouvida história, na rádio, as crianças eram desafiadas a responder a perguntas, sendo-lhe ainda proposta uma atividade para a semana.

O projeto desenvolveu-se durante seis semanas.

A Câmara Municipal de Idanha-a-Nova, parceira da Academia, disponibilizou também tablets e internet às crianças do Agrupamento numa tentativa de assegurar, sempre que possível, que cada aluno tinha pelo menos um tablet e um acesso à net.

Através da internet

Isto porque em complemento, às quartas-feiras chegava mais um desafio. Através do computador, as crianças poderiam ir ao blogue ver o vídeo através do qual, de uma forma lúdica, se continuava a trabalhar os conteúdos da semana.

Findo o ano letivo, os responsáveis da iniciativa salientam que as competências sociais, emocionais e de autorregulação que foram trazidas “darão os seus frutos no comportamento e na aprendizagem de todas estas crianças, no futuro”.

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of