A startup portuguesa Ubiwhere vai coordenar o SNOB-5G (Scalable and Self-optimized Wireless Network Backhauling for 5G), um projeto que visa a expansão para a rede 5G.

A iniciativa SNOB-5G é desenvolvida ao abrigo do programa Portugal2020.

Conta com o apoio do Programa MIT Portugal e com a colaboração de um consórcio internacional de destaque liderado pela Ubiwhere.

Tem ainda a participação do Laboratório de Investigação de Eletrónica do MIT (Cambridge, Massachusetts), Instituto de Telecomunicações (Aveiro) e do Centro de Informática e Sistemas da Universidade de Coimbra.

“A chegada da rede 5G a Portugal vem responder a elevadas expetativas de qualidade no que diz respeito à experiência dos utilizadores de comunicações móveis, assim como possibilitar uma capacidade de resposta rápida e serviços inteligentes às cidades,facilitando uma mudança imprescindível e muito aguardada neste setor. No entanto, a atual sobrepopulação dos centros urbanos apresenta novos desafios à instalação massiva e ubíqua de uma rede 5G de forma escalável e eficiente, atendendo àsinfraestruturas de telecomunicações atuais”, declara a Ubiwhere.

Os especialistas desta startup evidenciam que, neste momento, as operadoras de telecomunicações têm tendência a favorecer a utilização de recursos de ligações de rede com fios, particularmente a fibra ótica, que apesar de responder aos requisitos de banda-larga e baixa latência, apresenta desafios de instalação, o que leva a nem sempre estar disponível e a traduzir-se num impacto significativo quer a nível de planeamento de rede, quer nas intervenções necessárias à sua instalação.

Atualmente, metade da população mundial encontra-se distribuída em cidades e prevê-se que este número aumente, o que representa uma crescente quantidade de dispositivos, sensores e serviços, aos quais é necessário continuar a dar resposta.

“O SNOB-5G vem superar estes obstáculos ao investigar, desenhar e implementar uma inovadora e robusta solução inteligente para ligações backhaul sem fios entre unidades 5G, sendo o backhaul a estrutura da rede responsável por estabelecer a ligação entre o núcleo da rede e as unidades de distribuição”, adianta a Ubiwhere.

Mobiliário urbano inteligente

A inovação vai possibilitar às cidades tirar partido de elementos de mobiliário urbano (como postes de iluminação, bancos e paragens de autocarro, entre outros) para distribuir rede banda-larga 5G e estabelecer serviços inovadores, como sistemas de transporte inteligentes e comunicação veicular para carros autónomos, promovendo assim a criação de um novo modelo de negócio que alavanca a integração das cidades no mercado da rede 5G.

“Com a chegada deste projeto da Ubiwhere, as telecomunicações vão deixar de depender da disponibilidade da fibra ótica, ao serem substituídas por um sistema de rede totalmente autónomo e apto para funcionar numa topologia mesh, isto é, um sistema preparado para conectar-se de imediato às redes disponíveis quando uma ligação sem fios específica não providencia o desempenho requerido pelo serviço ou por qualquer outra razão desconhecida”, explicam os responsveis da startup.

Ao oferecer uma rede resiliente e sem falhas, a SNOB-5G promete assegurar uma excelente qualidade de serviço, mesmo em ambientes urbanos com elevada densidade.

Segurança e privacidade

A rede 5G será assim capaz de ajustar-se de forma autónoma e inteligente através de técnicas e recursos digitais como Network Coding, Multipath routing, Software-Defined Networks (SDN) e Network Functions Virtualisation (NFV) e técnicas dinâmicas de caching baseadas em Multi-Access Edge Computing (MEC), que vão garantir a segurança dos utilizadores e a privacidade dos seus dados.

“Esta solução contribuirá igualmente para a criação de cidades mais sustentáveis. As tecnologias sem fios adotadas (como mmWave) vão potenciar a redução de eventuais intervenções intrusivas no município (obras temporárias e obstrução das vias), em paralelo, a gestão eficiente e inteligente da rede em si causará impacto na qualidade de serviço oferecida ao consumidor final”, refere a Ubiwhere.

O primeiro caso de uso será implementado em Aveiro, a cidade natal de dois dos parceiros responsáveis pelo projeto, a Ubiwhere e o Instituto de Telecomunicações.

Adicionalmente, o SNOB-5G vai oferecer às cidades capacidade para aprimorar as suas infraestruturas de forma a que estas possam adotar energia limpa para distribuir a rede 5G.

O lançamento oficial do projeto SNOB-5G teve lugar em fevereiro de 2020, mas o projeto será desenvolvido ao longo de 36 meses, nos quais se prevê que a tecnologia seja testada, e avaliada a sua capacidade para impulsionar novos e inovadores serviços de mobilidade inteligente e sustentável em ambientes urbanos.

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of