Um estudo lançado pelo ScaleUp Porto, que caracteriza o ecossistema de empreendedorismo do Porto e da Região, concluiu que as startups da cidade representam já um volume de negócios anual superior a 126 milhões de euros.

*CAGR – Taxa de crescimento anual composta, a taxa de retorno anual constante que seria necessária para que um investimento crescesse do seu saldo inicial para o saldo final.

Impacto da COVID-19 ensombra jovens empresas

Este forte impacto económico pode, contudo, estar em risco, já que de uma avaliação preliminar sobre o impacto da COVID-19 nestas jovens empresas, verificou-se que 3 em cada 10 corre o risco de fechar portas nos próximos três meses, se o contexto não se alterar.

“Re:think | Re:build | Re:load: Caracterização do Ecossistema de Empreendedorismo da Região do Porto” foi um estudo produzido pela Associação Porto Digital, em colaboração com a EY (Ernst & Young).

O estudo analisou uma região que representa um dos tech hubs (centros tecnológicos) mais fervilhantes e com o crescimento mais rápido na Europa, que engloba mais de 350 startups e scaleups, mais de 50 incubadoras e espaços de trabalho e agrega mais de 30 comunidades tecnológicas.

A investigação apurou que, entre 2015 e 2018, o volume de negócios total das startups do Porto e Região Norte atingiu uma taxa de crescimento anual próxima dos 28%.

Neste incremento, destaca-se o contributo do cluster de Tecnologias de Informação e Comunicação, com 62% do valor total do volume de negócio.

Por seu lado, no mesmo período, o valor total de EBITDA (lucros) praticamente duplicou e as exportações registaram um crescimento anual de 26,6%.

Emprego: mais 35%

No que respeita à taxa de criação de emprego, o levantamento da EY conclui que, entre 2015 e 2018, as startups da região contribuíram para aumentar o número de colaboradores em 35%. O que significa que foram criados 7.018 empregos líquidos a norte, só neste segmento.

Além disso, registou-se um crescimento do número de empresas com remunerações médias mais elevadas, especialmente nos intervalos entre os 20 e os 30 mil euros anuais.

Neste enquadramento, o documento indica que os colaboradores da área de Dispositivos Médicos & Tecnologia da Informação aplicada à Saúde são os que auferem ordenados superiores face aos restantes clusters.

Investimento público

Para as startups, a fase early stage (fase inicial) é a altura em que estão capazes de atrair um maior volume de investimento do setor público. Além disso, o peso do investimento doméstico tem aumentado; em 2019, representou 24% do volume total de negócios.

Entre 2015 e 2019, o investimento público correspondeu a cerca de 5,6 milhões de euros e a uma média de 27% do valor total alcançado pelas empresas da região do Grande Porto.

Impacto da pandemia no ecossistema portuense

No atual e difícil contexto de pandemia, o ScaleUp Porto avançou ainda com um estudo complementar com o objetivo de avaliar qual o impacto das alterações repentinas causadas pelo efeito da COVID-19 nas startups.

Participaram do estudo, conduzido pela Porto Digital, com a FES Agency e Aliados Consulting, 41 CEO’s, fundadores e gestores de startups da cidade, no período entre 27 de abril e 6 de maio.

Entre as principais conclusões do questionário realizado, descobriu-se que 31,7% das startups têm até três meses de capital disponível. Ou seja, 3 em cada 10 corre o risco de encerrar depois desse período.

Mais de 60% sofreu com o impacto negativo nas vendas, embora 14,6% tenha, ao invés, tido um impacto positivo neste campo.

pandemia afeta 3 em cada 10, conclui estudo

Em linhas gerais, uma em cada 4 registou uma redução até 20% nas vendas; um terço das startups sofreu quebras superiores a 50%; e 16,7% sofreu mesmo um decréscimo de mais de 80%.

Neste momento, 63% das startups não estão a levantar capital de risco e 68,3% recorreram ou estão à procura de fontes de financiamento alternativas.

Foto: Filipa Brito/CMPorto

Sobre o ScaleUp Porto

O ScaleUp Porto. é uma estratégia que compromete a cidade do Porto na promoção do ecossistema de empreendedorismo e inovação. Tendo em vista o apoio ao crescimento de startups (o designado processo “scaleup”), visa a criação de um ecossistema sustentável que aumente a competitividade económica da região, crie emprego e melhore a qualidade de vida dos cidadãos.

39% preocupada com potencial encerramento

Cerca de 70% reduziu custos, sobretudo na contratação de serviços externos, e 39% mostra preocupação com o seu potencial encerramento.

Este cenário mais desfavorável contrasta, ainda assim, com dados positivos que importa assinalar. No turbilhão da crise, a esmagadora maioria das empresas do ecossistema de empreendedorismo do Porto (95%) não efetuou despedimentos e 97,6% não tenciona fazê-los nos próximos três meses, sendo que mais de um terço admite até que pretende contratar.

Por agora, 44% das startups recorreu às medidas excecionais e temporárias de apoio às PMEs e microempresas e praticamente metade (49%) pretende usufruir das medidas específicas de apoio às startups, sobretudo da medida “StartupRH Covid19”.

Artigo anteriorMetropolitano de Lisboa integra três objetivos ODS na sua estratégia de sustentabilidade
Próximo artigoPrio apoia alunos de 5 Politécnicos nas formações em mobilidade elétrica

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of