Harley-Davidson Livewire: uma elétrica chamada desejo

0
908

Poderíamos pensar que um construtor com valores tradicionais, faturados ao longo de mais de um século, teria mais resistência à novidade. A Harley-Davidson Livewire é, por isso, uma dupla surpresa.

A H-D é mais do que um construtor de motos. É um estilo de vida. Um ícone do American Way, patenteando inclusive o som dos seus motores a gasolina. Desde o período pós-Guerra, que a empresa americana não é vista como um pioneiro tecnológico.

Quando foi apresentado, em 2018, o projeto Harley-Davidson Livewire, a receção foi positiva, mas algo cautelosa. Agora, finalmente, as especificações são conhecidas, bem como os preços e é possível fazer uma análise mais detalhada.

Binário máximo sempre disponível

Uma característica das motos H-D é o seu enorme binário a baixo regime. Motores de grande capacidade, otimizados para trabalhar em baixos e médios regimes, têm uma capacidade de resposta formidável. As altas rotações ficam para as italianas e japonesas.

A Harley-Davidson Livewire estreia o motor elétrico de ímã permanente Revelation, prometendo um desempenho que não vai desiludir os incondicionais da marca. Com 78 kW (105 cv), disponibiliza um binário instantâneo de 116 Nm. Consegue assim acelerar dos 0-100 km/h em 3,3 segundos e realizar uma recuperação dos 100 aos 130 km/h em cerca de 2,0 segundos. A velocidade máxima está limitada a 180 km/h.

O motor elétrico tem refrigeração líquida e está montado longitudinalmente. A sua colocação permite baixar o centro de gravidade e potenciar a agilidade da moto.

Uma particularidade significativa é que a Harley-Davidson Livewire tem um som especial quando acelera. Este é conseguido pela ação do motor e transmissão. O construtor americano espera que possa tornar-se um som distinto, representando a aceleração suave mas potentes das duas motos elétricas.

Pack de bateria

A energia elétrica da Harley-Davidson Livewire está armazenada numa bateria de células de iões de lítio, com 15,5 kWh de capacidade (13,6 úteis). Está colocada no centro da moto, rodeada pelo quadro em alumínio.

Segundo o fabricante, a Livewire pode percorrer até 235 quilómetros com uma carga, em ambiente urbano. Em percurso misto, o alcance máximo rondará os 158 km. Este valor foi obtido segundo a norma WMTC (World Motorcycle Test Cycle), o equivalente nas motos ao WLTP dos automóveis.

A H-D diz que, numa tomada doméstica, é possível carregar completamente a bateria em 8-10 horas. Mas a Livewire também permite carregamento em DC, graças à sua tomada CCS (na Europa). Nesta modalidade, é possível carregar 80% da bateria em 40 minutos e a totalidade, em apenas uma hora.

A bateria, cujas células são fabricadas pela Samsung, tem uma garantia de cinco anos.

Um preço… muito exclusivo

Para além do ABS e de componentes de excelente qualidade, a Harley-Davidson elétrica tem um ecrã de 10,9 cm. Permite o Emparelhamento de telemóveis Android e Apple e dispõe do serviço H-D Connect.

Disponível para já em três cores, a Livewire tem um preço, nos EUA, de 29.799 dólares. Todavia, com a passagem do Oceano Atlântico, os custos de transporte e os impostos, ainda o tornam mais exclusivo.

Em Portugal, a Harley-Davidson Livewire em preto custa €34.500. Se optar por uma das duas outras cores disponíveis, o valor sobe mais €250.

 

 

 

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of