Os proprietários dos Nissan Leaf em Portugal apenas utilizam, em média, 20% da energia das baterias nas suas deslocações diárias, o que significa que 80% da energia das baterias pode ser devolvida à rede. A revelação foi de António Melica, diretor-geral da Nissan Iberica no 4º Fórum de Mobilidade Inteligente que a marca está a promover hoje, em Lisboa, e que o Watts On está a acompanhar.

No 4º Fórum de Mobilidade Inteligente da Nissan, o construtor fez questão de destacar a sua visão de mobilidade assente em três pilares: energia inteligente, condução inteligente e integração inteligente de todos os sistemas.

Este potencial energético que é semelhante à realidade noutros países pode, assim, ser utilizado para melhorar a eficiência energética e o equilíbrio entre a procura e a oferta da rede, numa lógica de um ecossistema integrado de V2G (Vehicle-to-Grid), de acordo com o responsável da marca em Portugal.

Fonte de receitas

“Os veículos elétricos podem ser uma fonte de receitas para os seus proprietários”, destaca Antonio Melica.

O peso dos elétricos na gama da Nissan tem vindo a reforçar-se, valendo já 16% em Portugal. O mercado nacional já é o 6º mais importante para o Leaf na Europa e o 9º no mundo para o Leaf.

Nesse sentido e feitas as contas aos cercas de 4800 Leaf circulantes no mercado português, a Nissan estima que há 180 MW diária de energia disponíveis que podem ser devolvidos à rede. Na estimativa da marca japonesa, essa cifra pode elevar-se até aos 500 MW de energia até 2022.

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of