Emilio Herrera, responsável de operações da Kia Europa, considera que não será possível nos tempos mais próximos termos um automóvel elétrico na Europa a custar 10 mil euros, uma meta que, recorde-se, a Renault estabeleceu para atingir dentro de cinco anos.

Em declarações ao Automotive News, Emilio Herrera explica que “um dos maiores desafios é tornar os veículos elétricos lucrativos. E quanto menor o carro, mais complicado é. Portanto, um EV de 10.000 euros é muito desafiador e pouco realista. Sabemos o quão difícil é porque estamos a procurar produzir uma versão elétrica do Picanto. Ainda não há nada confirmado, mas estamos realmente a analisar isso. Mas não creio que possa custar menos de 10.000 euros, a menos que se reduza o veículo ‘aos ossos'”.

“Um dos maiores desafios é tornar os veículos elétricos lucrativos. E quanto menor o carro, mais complicado é”, diz Emilio Herrera

O diretor operacional da Kia frisa que o objetivo do emblema sul-coreano é ter um veículo elétrico em quase todos os principais segmentos em que compete”.

Emilio Herrera acrescenta que, se partirmos de um preço base de 10.000 euros de um Picanto a gasolina, uma versão elétrica deste citadino coreano iria custar perto de 20.000 euros. “É necessário somar de 8.000 a 9.000 euros ao preço da unidade a gasolina”, refere Herrera que lembra que “desde que haja incentivos fiscais para apoiar as vendas de veículos elétricos, esse valor [de 10.000 euros suportados pelo público] pode ser viável. Mas acho que esses incentivos terão desaparecido dentro de cinco anos, porque haverá tantos EV disponíveis nessa altura que os governos não seriam capazes de apoiá-los”.

“Não temos escolha”

Este responsável da Kia sublinha, porém, estar otimista acerca do futuro dos EV: “Por que é que acreditamos que o mercado de EV crescerá? O principal motivo é que não temos outra escolha. Por que é que a Volkswagen está subitamente a enveredar por esse caminho agora? Não porque gostem, mas porque são forçados a isso. O Grupo Volkswagen vende 4 milhões de automóveis na Europa; eles precisam de compensar isso com a venda de veículos elétricos para evitar pagar as multas de CO2 da UE. A Volkswagen diz que, quando iniciarem a produção em massa [do elétrico ID.3], poderão vendê-lo por 30.000 euros. Eu acho que é uma afirmação ousada. É um veículo de segmento compacto; não estamos a falar de um Smart. Hoje, na Kia, não somos capazes de lançar um veículo elétrico a 30.000 euros”.

“Picanto Elétrico: não temos alternativa. Teremos de o fazer”, diz a Kia.

Para a Kia, um Picanto elétrico fará todo o sentido, afirma Emilio Herrera: “Não temos alternativa. Teremos de o fazer. Os segmentos A [citadinos] e B [utilitários] são muito importantes na Europa. Em Itália, estes segmentos representam 50% do mercado. Teremos de ter um segmento A que seja elétrico”.

Kia anti-Tesla Model 3 em 2021

A Kia pretende lançar um modelo anti-Tesla Model 3 em 2021. O veículo elétrico será a variante de produção do protótipo Imagine (na foto) que o construtor coreano exibiu no Salão de Genebra de 2019.

Segundo Emilio Herrera, responsável de operações da Kia Europa, o objetivo da marca é que esse automóvel entre em produção dentro de um ou dois anos.

A viatura terá uma plataforma dedicada, com preços no mercado norte-americano na casa dos 35 mil dólares.

Kia Imagine concept

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of