Já foram revelados os vencedores da segunda edição das Bolsas de Investigação Jornalística, iniciativa lançada pela Fundação Calouste Gulbenkian, em 2018, e que visa financiar trabalhos de investigação jornalística em áreas tão díspares quanto a política, economia, questões sociais, culturais ou históricas, desde que diretamente relacionadas com Portugal e com os portugueses.

Ao todo são 12 as bolsas a atribuir.

As bolsas atribuídas este ano revestem-se de um caráter especial: primeiro, por serem atribuídas no ano em que se comemora o 150º aniversário do nascimento de Calouste Sarkis Gulbenkian, filantropo e humanista que sempre apoiou projetos que procuravam beneficiar o maior número de pessoas, como é o caso deste; depois, por terem sido instituídas numa época em que o jornalismo vive uma crise à escala global.

Para Isabel Mota, Presidente da Fundação, “o jornalismo de qualidade é vital para uma sociedade democrática esclarecida e para a construção de um futuro melhor. A informação, credível, clara e objetiva é crucial para a leitura e análise do mundo real”.

A seleção dos bolseiros desta segunda edição foi feita por um júri constituído por António Granado (Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa), Cândida Pinto (RTP), Cristina Ferreira (Público), João Garcia (jornalista) e José Pedro Castanheira (jornalista).

O júri, nomeado anualmente pela Fundação, apreciou 50 projetos de investigação jornalística e selecionou as candidaturas com base na adequação do CV de cada candidato, a relevância jornalística do projeto, a sua oportunidade, exequibilidade e a possibilidade de divulgação num órgão de comunicação social (seja em suporte escrito, audiovisual ou digital). A decisão da escolha das bolsas é da exclusiva responsabilidade do júri.

Os 12 selecionados candidataram-se com 11 propostas de publicação na imprensa escrita e uma em televisão, tendo quase todas publicação digital garantida.

Estas 12 bolsas juntam-se às mais de 80 mil atribuídas pela Gulbenkian desde a sua fundação, em 1956.

Os vencedores das Bolsas de Investigação Jornalística 2019 são:

  • António Caeiro
  • Cláudia Marques Santos
  • Isabel Lindim
  • Paulo Anunciação
  • Paulo Moura
  • Paulo Pena
  • Pedro Coelho
  • Raquel Moleiro
  • Ricardo Dias Felner
  • Sofia da Palma Rodrigues
  • Tiago Carrasco
  • Vânia Maia

Primeira edição apoiou dez projetos

Na primeira edição das Bolsas de Investigação Jornalística foram apoiados dez projetos – cinco de publicação na imprensa escrita, um em televisão, dois em digital, um em rádio e um simultaneamente em jornal e televisão. Os dez vencedores das bolsas de 2018 foram: Ana Suspiro, António Marujo, Catarina Gomes, Marina Pimentel, Miguel Carvalho, Paulo Barriga, Paulo Pena, Pedro Miguel Santos, Tiago Carrasco e Vanessa Rato.
Até ao momento foram publicados os trabalhos de Paulo Pena no Diário de Notícias e jornais estrangeiros que integram o consórcio Investigate Europe; os de Tiago Carrasco, no “Expresso”; o de Miguel Carvalho, na Visão e Visão Biografia, e uma parte do trabalho de Catarina Gomes, no Público.

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of