A Nissan Portugal divulgou ontem, ao fim do dia, um comunicado sobre a questão da bateria do Nissan Leaf.

O assunto foi um dos temas mais discutidos pela comunidade de utilizadores de veículos elétricos nas últimas semanas. Em causa estava um orçamento de cerca de 30.000 euros para substituir integralmente o pack de bateria num Nissan Leaf com dois anos. O veículo era utilizado como Uber, contando também com mais de 160.000 quilómetros, valor limite para a garantia oferecida pela Nissan.  

Fora da garantia, foi pedido ao proprietário, no espaço de algumas semanas, cerca de 9.000 euros, sendo o preço posteriormente atualizado para mais de 30.000 euros, com custos de montagem e IVA.

Responsáveis da Nissan Portugal confirmaram numa reportagem emitida pela SIC Notícias, estarem corretos os valores deste orçamento. Alegaram fatores externos para este aumento dos preços, indicando que estaria para breve a divulgação de um novo valor. 

Ontem foi então confirmado que a substituição integral do pack de bateria do Leaf custa, a partir de dia 4 de novembro, 7000 euros, mais o valor da instalação, acrescidos de IVA.

Um caso excepcional

No mesmo comunicado, a Nissan Portugal informa que, em 2019, tem conhecimento de apenas um cliente que pretende mudar o pack de baterias.

Avança ainda que foram vendidos mais de 140.000 unidades do Nissan Leaf na Europa, sem registo de qualquer incidente crítico envolvendo a bateria. Adianta também que 99,5% dos seus veículos elétricos mantém a bateria original. 

Destaca ainda o mesmo comunicado que o pack de baterias do Leaf conta com 48 módulos que podem ser substituídos individualmente, tornando uma substituição total menos provável.

 A Nissan é a única marca em Portugal a possuir centros próprios de reparação de baterias. Neste momento existem dois centros de reparação que servem toda a rede de concessionários Nissan, número que irá crescer em breve.

O que pensa o Watts On

O Nissan Leaf tem desempenhado um papel fundamental no crescimento da mobilidade eléctrica, sobretudo na Europa. Líder de vendas também em Portugal, é utilizado por empresas e particulares no quotidiano. 

Apesar de ser um VE acessível a um número alargado de pessoas e empresas, tem um nível de sofisticação tecnológica adequado e uma fiabilidade geral à altura dos pergaminhos do construtor japonês.

É sabido que uma utilização mais intensa, com a utilização frequente de carregadores rápidos, provoca um desgaste acelerado no pack de baterias. Por esse motivo, a perda de eficiência acentuada e consequente diminuição de alcance do Nissan Leaf em causa não é, de todo, uma surpresa. 

O que surpreende é que a Nissan tenha sido apanhada desprevenida nesta situação, não encontrando rapidamente uma solução que defendesse o seu cliente.

Demora em agir tem prejuízos duradouros 

Mesmo admitindo a raridade da situação, o valor apresentado em orçamento ao proprietário deste Nissan Leaf nunca deveria ter existido. O facto de ter sido possível divulgar e debater esta questão durante várias semanas — nas redes sociais e na televisão — trouxe prejuízos certamente significativos, não só à Nissan, mas também a toda a mobilidade elétrica. 

Fica também a ideia — em que não acreditamos — de que, só depois de aparecer na televisão, é que a Nissan decidiu corrigir esta anomalia.

A reportagem televisiva, mesmo após este comunicado da Nissan, irá continuar a ser partilhada e discutida durante meses nas redes sociais, criando desconfiança num momento em que se pretende incentivar a transição para a mobilidade elétrica.

O Watts On espera que a situação sirva de lição para casos semelhantes no futuro. 

Os clientes da mobilidade elétrica têm todo o direito de esperar dos construtores soluções rápidas e proporcionais às questões que vão surgindo.

 

1
Deixe um comentário

avatar
1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
Ana Teixeira Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Ana Teixeira
Visitante

Tenho um Nissan Leaf de 62 kwh, entregue fim de Novembro de 2019. Foi -me indicado pelo vendedor uma autonomia de 400km. Fez, não mais de 285km em autoestrada no Inverno 2019/2020, sem ultrapassar nunca os 110km/h, sem ar condicionado ligado.
Com paragem 15 a 20 minutos para recarregar 20kw de bateria, demoro cerca de 4 horas a ir de Lisboa a Faro.
Com o meu Audi A4 diesel pouco mais demorava de 2h e 30m, 2h e 45m, sem ultrapassar 130km/h.