Os empresários portugueses estão conscientes que a sustentabilidade é determinante para uma política de frota de sucesso, estando, por isso, a apostar em soluções tecnológicas, como a telemática, e na implementação de “códigos de conduta” para a utilização das suas frotas com o objetivo de otimizar percursos, aumentar a produtividade e diminuir custos com consumo energético e recursos, como emissão de CO2 ou de outros gases poluentes.

Estas são conclusões do Barómetro 2019 do Arval Mobility Observatory,  estudo realizado no passado mês de março a mais de 4000 empresas europeias, das quais 300 em Portugal.

Benefícios da telemática ganham força na gestão de frotas

De acordo com este indicador, a utilização de sistemas de telemática pelas empresas portuguesas subiu 33% no ano passado e, atualmente, 20% das empresas nacionais já recorre a esta tecnologia de localização, quando em 2018 eram só 15%.

O uso da telemática cresce essencialmente entre as empresas com mais de 10 viaturas em frota, onde 34% das empresas, com frotas entre 10 e 49 viaturas, confirma o uso deste recurso, o que representa um crescimento superior a 40% face ao ano 2018.

Também nas empresas com mais de 50 viaturas, este sistema de localização é comum (42% das empresas), registando uma subida de 35% relativamente ao ano anterior.

A maturidade nas empresas portuguesas relativamente a telemática está a par das suas congéneres europeias, onde vemos que este sistema se localização é utilizado por 21% das empresas.

Outro dado relevante diz respeito à importância da proteção de dados, com 87% das empresas preferem a segurança de um sistema de telemática, enquanto sistema informático protegido e específico para gestão de frotas.

Regras de utilização das viaturas

As empresas portuguesas estão cada vez mais conscientes do impacto dos condutores nos custos com a frota automóvel e 39% assumem ter um código dirigido aos colaboradores sobre a utilização das viaturas da empresa. Esta é uma prática com maior incidência nas empresas com mais de 50 viaturas (77%).

Nestas orientações para os colaboradores, 25% das empresas nacionais têm estabelecidas normas de segurança na condução e 14% estabelecem regras com limites sobre as emissões de gases poluentes. A percentagem de empresas que considera estes dois temas nas regras de utilização de viaturas cresce em função da dimensão da frota das empresas, não existindo, no entanto, nenhuma relação de proporção entre estas regras.

Percentagem percentagem de empresas que consideram regras específicas para limitar emissões de CO2 e sobre segurança da condução. Fonte: Arval Mobility Observatory 2019.

Legenda da dimensão da frota:

 

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of