O concelho de Aveiro vai testar, ainda este ano, uma solução MaaS (Mobility as a Service), uma app capaz de integrar a oferta dos vários modos de transporte (autocarros, táxis, comboios e bicicletas), prevendo igualmente a respetiva integração tarifária.

A solução será implementada num projeto-piloto no âmbito de uma parceria desenvolvida pela Transdev, o CEiiA e a Câmara Municipal de Aveiro.

De acordo com André Dias, Head of Intelligent Systems Unit no CEiiA, este serviço vai proporcionar aos aveirenses “planear as suas necessidades de mobilidade em tempo real, reservar e pagar por estacionamento, utilizar pontos de carregamento, alugar uma bicicleta partilhada ou apanhar um autocarro ou o comboio local através de uma única subscrição”.

Esta app foi dada a conhecer num seminário promovido pela Transdev Portugal que reuniu, em Aveiro, vários especialistas nacionais e internacionais do setor da mobilidade para apresentar as mais recentes tendências, inovações e soluções de que o Grupo Transdev dispõe a nível mundial.

Dirigido a representantes de autarquias, autoridades de transporte e técnicos de mobilidade, o seminário foi intitulado de #PACE, tendo como objetivo demonstrar as vantagens da aplicabilidade das soluções do Grupo Transdev em Portugal, permitindo aos territórios nacionais acompanhar o desenvolvimento do setor, tornando-os mais responsivos e eficientes em matérias de transportes.

Mobilidade personalizada, autónoma, conectada e ecológica

“A Transdev acredita que a mobilidade que vivemos nos dias de hoje está a mudar e, num futuro próximo, será PACE – Personalizada, Autónoma, Conectada e Ecológica. Em Portugal, queremos liderar esta mudança. Temos capacidade de resposta e de inovação e temos também a capacidade para adequar soluções às necessidades dos nossos clientes e às especificidades dos seus territórios”, preconizou o CEO da Transdev em Portugal e Espanha, Pierre Jaffard.

A atividade da Transdev incide nos setores rodoviário e fluvial, detendo em Portugal 11 empresas, bem como participações na Internorte, Intercentro, Rede Nacional de Expressos, Renex e Rodoviária do Tejo. A Transdev Portugal tem cerca de 1.900 colaboradores e uma frota de mais de 1.500 viaturas.

Em matéria de mobilidade autónoma, o seminário #PACE contou ainda com o contributo e visão de Christine Peyrot, diretora comercial do Departamento de Sistemas de Transportes Autónomos do Grupo Transdev, para quem “os veículos autónomos têm de ser partilhados para assumirem verdadeiramente o desígnio de se afirmarem como uma solução intermodal, interoperável e integrada nas redes públicas de transportes”.

A apresentação das soluções Transdev para uma mobilidade conectada ficou a cargo de Benoît Jaby, solutions manager of Transport on Demand no Grupo Transdev, segundo o qual “a sustentabilidade destas soluções de transporte a pedido configura desafiantes vantagens económicas, quer para o operador de transportes públicos, quer para os passageiros”.

Avaliação dos clientes

Rafael Alatriste-Gamba, senior project manager no Group Client Department do Grupo Transdev, refere que “existe uma óbvia ligação entre o crescimento sustentável do número de passageiros e a utilidade do serviço, sendo que os clientes classificam a utilidade do serviço, avaliando, sobretudo, se este está apto a transportá-lo aos locais onde e quando se pretendem deslocar; se o serviço corresponde a uma boa utilização do seu dinheiro e do seu tempo; se respeita o cliente e é confiável; e, por fim, se oferece aos clientes a liberdade de alterarem os seus planos de deslocação”.

Reservado para o último painel do seminário #PACE, o tema da mobilidade ecológica foi abordado por Tanguy Bouton, Energy Transition Business Manager no Grupo Transdev, que elegeu o hidrogénio como fonte de combustível que, na sua perspetiva, vingará no futuro a longo prazo da mobilidade, “por ser limpa, económica e inesgotável”, tendo revelado que “o Grupo Transdev contará, ainda em 2019, com 12 veículos movidos a hidrogénio”.

Contudo, assinalou o mesmo responsável, “no imediato, a energia elétrica continuará a ser uma forte aposta do Grupo Transdev, pois apesar do custo dos veículos elétricos ser maior do que o das viaturas a gasóleo, a fatura é mais baixa nos custos de consumo e de operação”.

Os veículos elétricos representam já 5% da frota mundial da Transdev.

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of