O primeiro modelo elétrico da Audi já chegou aos principais mercados europeus. O e-tron é um SUV que vai custar entre nós a partir de 84.251 euros, sendo ainda Classe 1 nas portagens (com ou sem Via Verde).

A versão mais equipada, a Advanced, custará desde 85.781 euros, tendo jantes de 20” (em vez de 19”) e elementos da carroçaria em cor de contraste cinzento.

Entre as suas características, destaque para a sua autonomia de 417 km (ciclo WLTP) e com o facto de poder receber até 80% da carga em meia hora graças ao carregamento a 150 kW para o qual está preparado.

Ainda no capítulo da regeneração energética, o e-tron pode recuperar energia quando vai em modo de roda-livre ou pela travagem.

Ao travar desde 100 km/h, este SUV elétrico da Audi pode recuperar a energia elétrica num máximo de 300 Nm/220 kW, que é responsável por 30% do total da autonomia. O sistema de travagem hidráulico é aplicado sempre que a desaceleração é superior a 0,3 g.

Espelhos virtuais como opção

Outro apontamento inovador está nos opcionais espelhos retrovisores exteriores virtuais com câmaras de vídeo (que substituem os tradicionais espelhos).

Aliás, esta solução permite que o modelo tenha um coeficiente de penetração aerodinâmica (valor Cx) de apenas 0.27 (sem os espelhos retrovisores virtuais o Cx é de 0.28), sendo um valor recorde no segmento dos SUV.

Dois motores elétricos

O e-tron tem dois motores elétricos que garantem uma potência total de 300 kW/408 cv e um binário máximo de 664 Nm.

A aceleração de 0 a 100 km/h é cumprida em 5,7 segundos (com “boost”) e a sua velocidade máxima está limitada eletronicamente a 200 km/h.

Sistema quattro

O SUV está dotado do sistema quattro, com tração integral elétrica acionada sempre que necessário, possuindo grelha dianteira ativa (que altera a abertura consoante as necessidades de arrefecimento) e pneus de baixa atrito ao rolamento.

A suspensão pneumática adaptativa é de série, com a altura ao solo a poder variar até 76 mm, entre o máximo e o mínimo.

Modos de condução

Os modos de condução do Audi drive select possibilitam que o condutor varie as características do e-tron entre sete perfis, do mais desportivo ao mais eficiente, dependendo da situação de condução, condições da estrada ou preferências pessoais.

A Audi disponibiliza ainda um controlo eletrónico de estabilidade de quatro fases, com modos “Sport” e “Offroad”.

Bateria com 700 kg

A bateria tem um peso de cerca de 700 kg, incluindo todo o material acessório, como as cablagens e arrefecimento), posicionando-se por baixo do piso e entre os dois eixos, para uma melhor repartição do peso e de modo a se conseguir um baixo centro de gravidade.

A bateria, que está envolta num gel de arrefecimento para lhe garantir a eficácia, encontra-se aparafusada ao e-tron em 35 pontos, o que aumenta a rigidez da estrutura em 27%, explica a marca.

Bateria
► Dimensões da bateria: 2,28 metros de comprimento, 1,63 metros de largura e 34 cm de altura
► Total de 36 módulos de células dispostos em quadrados de alumínio.
► Moldura envolvente e estrutura estilo malha em alumínio protegem a bateria, enquanto uma proteção inferior em alumínio protege aquele componente de pedras ou danos na zona inferior da carroçaria.

Carregamento: 11 kW de série e 22 kW em opção

A Audi oferece várias soluções para carregamento em casa. O e-tron é proposto de série com um equipamento de carregamento que admite potências até 11 kW (até oito horas e meia de tempo de carga) de base, ou de 22 kW opcionalmente, com o módulo Connect (reduzindo o tempo necessário para a carga total para as 4,5 horas, graças a um segundo carregador integrado).

Assim, o sistema de carregamento móvel, de série, pode ser usado numa tomada doméstica de 230 volts ou numa tomada trifásica de 400 volts.

Já o sistema opcional de carregamento “connect” (com ligação para ficha trifásica) duplica a potência de carregamento até 22 kW. Com este tipo de carregador, a bateria pode ser quase totalmente recarregada em 5 horas. Para poder aproveitar este carregador de 22 kW, também é necessário equipar o e-tron com um segundo carregador interno, que seja capaz de aplicar e gerir esta potência. O cabo de carregamento para 22 kW custa 50 euros.

Durante o carregamento a 11 kW de potência, quando a capacidade da bateria é inferior a 85%, cada hora de carga equivale a acrescentar cerca de 33 quilómetros de autonomia (em estrada e com condições favoráveis).

O e-tron é produzido na fábrica da Audi em Bruxelas.

Com essa potência, chega a 85% da bateria em cerca de 7 horas. Para casas particulares com uma instalação elétrica monofásica, a Audi oferece dois tipos de carregadores portáteis. Um deles utiliza uma ficha tipo “Schuko” – a denominação técnica das fichas domésticas –, que só pode carregar com uma intensidade de 10 ampere (2,3 kW de potência), sendo necessárias cerca de 40 horas para realizar um carregamento completo. O outro carregador requer a instalação de uma ficha industrial monofásica, que permite carregar até uma potência de 7,2 kW.

Além destes dois tipos de carregamento, o cliente pode adquirir para o e-tron um cabo Tipo 2 (Mennekes) para poder utilizar os pontos de carga públicos que possuem este tipo de ligação, e que se encontram na via, em hotéis e estacionamentos de centros comerciais. “Este tipo de pontos de carga não está geralmente equipado com cabos, pelo que o proprietário terá de ter o seu próprio”, lembra a marca.

Estratégia para os próximos anos

O e-tron é o primeiro modelo de produção em série totalmente elétrico da Audi. Até 2025, a marca quer disponibilizar um modelo elétrico em cada gama, seja 100% elétrico ou híbrido plug-in. Neste contexto, o e-tron Sportback será o próximo modelo a lançar em 2019. Para 2020, está previsto um modelo compacto elétrico. Por seu lado, a produção do Audi e-tron GT em Böllinger Höfen, nos arredores de Neckarsulm, acontecerá a partir de 2020.

O carregamento em viagem com corrente contínua (DC) admite até 150 kW de potência (postos rápidos). “Isso significa que o Audi e-tron está pronto para seguir viagem em aproximadamente meia hora”, explica o fabricante.

O construtor destaca a existência da app myAudi que permite uma utilização mais eficiente e com o máximo de comodidade dos serviços Audi e-tron, através do smartphone, tablet ou do PC. No futuro, a simplificação será ainda maior, com a funcionalidade Plug & Charge, que eliminará a necessidade de se ter um cartão – o próprio carro autorizará o carregamento e desbloqueará a estação de carga.

SUV digital

O interior é todo ele muito digital, sobressaindo o MMI touch response e o Audi virtual cockpit (1920 x 720 pixels), estando disponíveis ecrãs táteis de alta resolução, de 10,1 e 8,6’’, por meio dos quais o condutor pode comandar as funções dos sistemas de conforto e de infotainment, assim como os sistemas de assistência à condução.

O Audi e-tron será ainda o primeiro modelo da marca a permitir, a partir de meados de 2019, que os clientes adicionem certas funções online quando sentirem necessidade. “Por exemplo, os faróis de LED podem ser atualizados para faróis LED matriciais com feixes altos controlados de forma inteligente, e podem ser adicionados sistemas auxiliares ou adicionais de infoentretenimento, como rádio digital DAB + e a interface do smartphone Audi”, explica o construtor.

Audi e-tron 55 quattro (265 kW)


Comprimento: 4901 milímetros (mm)
Largura: 1935 mm
Altura: 1616 mm
Distância entre eixos: 2928 mm
Bagageira: 600 litros (há ainda um compartimento de arrumação sob o capot com 60 litros onde pode ser guardado o kit de ferramentas do veículo e o cabo do carregador móvel).

 

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of