Para reconhecer e fortalecer os espaços públicos, é essencial envolver a comunidade, entender o que move a população local a frequentar as praças, ruas, pátios, parques e todos os outros lugares próximos onde interagem com a natureza da cidade.

Nestes ambientes compartilhados, todos os elementos que criam uma energia positiva devem ser planeados para quem os frequenta, tanto crianças e famílias, como idosos e animais.

O uso destes espaços públicos tem vindo a evoluir ao longo dos anos pelo que pequenas mudanças podem gerar grandes melhorias na interacção que se pretende fomentar para que a qualidade de vida nas cidades seja, de facto, reconhecida pelos cidadãos.

A limpeza, a segurança e a acessibilidade destes lugares urbanos compartilhados, são considerados factores básicos e que, logo à partida, devem estar garantidos.
No entanto, a sensação de bem-estar e a frequência destes espaços aumentam, quando em cada um se consegue proporcionar experiências exclusivas e adaptadas às necessidades dos principais frequentadores.

Empresas podem e devem participar

Tudo isto parece linear e os dedos apontam imediatamente para as entidades públicas mas, tendo em conta que nestas localidades também existem empresas, julgo que fará sentido repensar estrategicamente e criar parcerias publico-privadas, que acelerem os processos sem grandes burocracias “à portuguesa”.

As marcas querem envolver-se com a comunidade, querem estar mais próximas do consumidor pelo que esta oportunidade de conjugação de interesses, deve ser promovida e estimulada.

Um exemplo promissor, mas…

Relembro o caso da Tapada Nacional de Mafra (TNM), em que estive envolvida há cerca de quatro anos com a responsabilidade de reposicionar a imagem do espaço, na altura degradada e sem alinhamento estratégico de posicionamento.

Esta Floresta Encantada tem uma História para contar desde 1747 e todos a querem ouvir.
Também a biodiversidade que ali se encontra remete para a conhecida história do Bambi, onde se podem observar de perto no seu habitat natural tanto veados como javalis, corujas e tantos outros.

A partir desta riqueza de conteúdos, desenvolveram-se programas adaptados a todos os atuais e potenciais interessados em visitar este espaço, consoante as épocas do ano, estilos de vida e idades.

Depois de alinhada a nova estratégia de comunicação e o respectivo branding da Floresta Encantada foram criadas parcerias com entidades publicas e privadas que, imediatamente, se quiseram envolver e apoiar todas as iniciativas planeadas: desde a sinalética, à comunicação em geral como o mapa impresso de orientação no espaço (que não existia), tal como o site mobile responsive com venda de bilhetes online (via Blueticket).

Marcas como a JEEP, Olá Gelados, McDonalds, Horto Campo Grande, entre outras, fizeram parte do plano de revitalização deste espaço com tanto potencial mas que, infelizmente, voltou ao silêncio do passado…

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of