Já é possível utilizar em Lisboa trotinetes elétricas partilhadas. Duas empresas acabam de entrar no negócio.

A empresa norte-americana Lime e a portuguesa Iomo querem colocar os lisboetas a andar de trotinete elétrica.

Os logótipos da Lime e da Iomo

A Lime já está no terreno há pouco mais de uma semana e a Iomo vai abrir os seus serviços  ao público em novembro.

O conceito é o mesmo: trotinetes elétricas partilhadas.

400 a 600 trotinetes de início

A Lime vai colocar na cidade de Lisboa entre 200 e 400 trotinetes, sendo que o plano é para reforçar esta oferta já em 2019.

A Iomo avança, para já, com 200 trotinetes elétricas possíveis de alugar na capital portuguesa, havendo já conversações com mais quatro ou cinco municípios para virem a ter este serviço.

Ou seja, se somarmos a oferta destas duas empresas teremos nas ruas da capital entre 400 a 600 trotinetes elétricas, nesta fase inicial.

App controla acesso

Em ambos os casos, o aluguer é feito através de uma app – o utilizador localiza a viatura num mapa e reserva-a com o smartphone.

O desbloqueamento da trotinete é feito através também da mesma app.

O sistema é free-float, o que significa que o utilizador pode recolher e deixar a trotinete num dos 90 pontos de recolha que o município de Lisboa está a destinar para este género de veículos.

15 cêntimos/minuto

Os preços são iguais, tanto na Lime como na Iomo: 15 cêntimos por minuto de utilização, aos quais se soma um euro de entrada.

“A solução que faltava”, diz Iomo

O Watts On entrevistou Luis Reis, um dos responsáveis e fundadores da Iomo, para quem este é um tipo de serviço que faltava: “A cidade de Lisboa já tem sistemas de partilha de automóveis, de bicicletas e scooters. Mas a solução que aqui apresentamos é inovadora e é mesmo a melhor solução para as pessoas percorreram aquilo a que chamamos de ‘last mile’, a última milha”.

Para trajetos finais de ligação

Luís Reis dá um exemplo: “As trotinetas elétricas são o complemento perfeito para fazer as últimas ligações até ao destino pretendido. É o caso de alguém que chega à estação de Entrecampos de comboio, por exemplo, e em vez de ficar à espera por um autocarro que o levará ao seu escritório, dispõe de uma trotinete para o levar a percorrer os últimos dois quilómetros do trajeto”.

E num cenário desses, por quanto é que ficarão esses 2 km? “Utilizando 10 minutos, teríamos um custo de cerca de 2,50 euros”, responde Luís Reis.

Este responsável da Iomo sublinha: “As trotinetes elétricas são ideais para trajetos curtos. Nesse sentido, arrancamos com as melhores expectativas sobre o modo como os lisboetas aceitarão este modo de deslocação. Este tipo de transporte existe já noutras cidades da Europa e EUA com muito sucesso”.

Podem circular na estrada

Luís Reis explica que para efeitos legais, as trotinetes são equiparadas a bicicletas, podendo circular nas mesmas vias onde as bicicletas podem andar, como ciclovia ou estrada.

Relativamente ao uso de capacete, a Iomo está a pensar em poder vir a facultar este acessório a quem pretender alugá-lo.

Em termos de autonomia, as trotinetas da Iomo podem percorrer até 25 km de distância.

A velocidade máxima é de 20 km/h.

“Vai melhorar mobilidade urbana”, diz Lime

Ao Watts On, o CEO da Lime para Portugal, o italiano Marco Pau, refere que “as cidades, confrontadas com muito trânsito, têm de melhorar a mobilidade para oferecerem melhores condições de vida aos seus habitantes. E na Lime pensamos que a mobilidade urbana deve ser melhorada com uma aposta em meios de transporte mais verdes, como é o caso das trotinetes elétricas”.

A escolha de Lisboa é justificada por Marco Pau pelo facto de ser uma cidade “de gente dinâmica, jovem e aberta à inovação, características que nos levaram a concluir que haveria uma grande recetividade às trotinetes elétricas. Lisboa tem o ambiente ideal para que este projeto venha, aqui, a ter êxito”.

A Lime pretende estender este serviço a outras cidades, como Porto, Braga, Aveiro, Coimbra, entre outras.

Neste espírito de abertura que diz ter encontrado, Marco Pau salienta ainda a recetividade e a colaboração que a Câmara Municipal e Lisboa e, em particular, do seu presidente, Fernando Medina, demonstraram em relação ao projeto, designadamente na criação das nove dezenas de hotspots para estacionar as viaturas.

Ainda que a Lime noutros países alugue, além das trotinetes elétricas, bicicletas e bicicletas elétricas, o responsável da operação em Portugal diz que “de momento, isso não acontecerá” por cá.

Sobre o número de clientes diários que a Lime estima poder vir a ter, Marco Pau não desvenda o seu plano de negócio (“temos números mas são internos e não pretendemos revelar ainda”), dando, porém, a sua certeza: “Muita gente vai usar estes veículos”.

A percentagem de carga das trotinetes será monitorizada remotamente e em permanência por uma central.

Quando uma viatura estiver com a bateria em baixo, uma equipa da Lime encarrega-se de a ir buscar para pô-la à corrente. “A outra alternativa – e aqui é outro aspeto em que inovamos – é que sejam as próprias pessoas – os ‘juicers’ como lhes chamamos – a carregar as trotinetes em suas casas e ganharem dinheiro com isso. Quando essa pessoa carrega a viatura, deixa-a num dos 90 hotspots existentes”.

[atualizado em relação ao uso do capacete, em virtude da Instrução Técnica nº 1/2018 da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária que indica que a utilização de bicicletas e trotinetes elétricas não obriga ao uso de capacete]

6
Deixe um comentário

avatar
3 Comment threads
3 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
4 Comment authors
Adelino DinisNuno RodriguesSandra SantosVictor Lavoura Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Victor Lavoura
Visitante
Victor Lavoura

Então se eu utilizar uma trotinete da Iomo para vir de Lisboa para Sacavém e carrega la em minha casa e voltar a colocar numa zona spot . Qual o meu benefício em relação a essa trotinete ?

Adelino Dinis
Admin

Julgo que o custo dessa operação ficaria muito dispendioso para si. Em poucos dias, poderia comprar a sua própria trotineta. Já não são assim tão caras…

Sandra Santos
Visitante
Sandra Santos

Funciona bem e é muito bom assumindo que todos os utilizadores são civilizados, o que não acontece. O que mais se vê são trotinetes ao abandono, quando as baterias acabam, em locais que nada têm a ver com os destinados ao efeito de carga.

Adelino Dinis
Admin

Tem razão. É um sistema novo e terá que ser melhorado.

Nuno Rodrigues
Visitante
Nuno Rodrigues

2.5€ por 10 minutos….. ida e volta à estação fica a 5€ dia. Por mês a brincadeira acaba em 110€. E ainda tenho de comprar o passe. Dá para atestar o deposito do carro 3 vezes ao mês. E se partillhar o carro nem se fala.

Dizem que o electrico é barato… pois sim…. falacias. É carissimo.

Alguém está a ganhar à grande com isto e não é o povo.

Adelino Dinis
Admin

Boa tarde, obrigado pelo seu comentário. Não há soluções perfeitas e aconselhamos todos os leitores a fazerem bem as contas, como indica. Os micropagamentos têm esta característica e por vezes nem nos apercebemos de quanto estamos realmente a pagar.