Sergio Marchionne
Marchionne faleceu aos 66 anos. O plano era para abandonar o cargo de CEO do Grupo FCA em 2019.

Apesar da FCA (Fiat Chrysler Automobiles) ser dos grupos automóveis que menos modelos elétricos e híbridos plug-in têm para apresentar (temos o Fiat 500e e o Chrysler Pacifica Hybrid), o agora falecido CEO Sergio Marchionne (1952-2018) deixa um plano de investimento futuro de nove mil milhões de euros para veículos elétricos, o qual pressupõe o lançamento de mais de 30 modelos com algum género de eletrificação (EV incluídos) até 2022.

Sergio Marchionne foi o CEO da Fiat nos últimos 14 anos. Foi subitamente substituído no cargo nos últimos dias (21 de julho), um indício de que algo não estava bem com a sua saúde. Internado no Hospital Universitário de Zurique, Suíça, faleceu aos 66 anos na sequência de complicações pós-operatório a um ombro (em junho) que agravaram o seu estado, ele que padecia de um tumor maligno nos pulmões.

Esta estratégia pretende também que o Grupo alcance as metas de emissões exigidas na Europa e nos EUA, algo que, de resto, esteve inerente à própria produção do elétrico 500e, nos EUA, um carro que o próprio Marchionne assumiu que dava prejuízo ser montado.

Marchionne deixa, assim, ao novo presidente da FCA, o britânico Mike Manley (54 anos) até aqui responsável pela Jeep, um plano que visa que as siglas da FCA (que incluem a Jeep) tenham no seu portefólio europeu veículos híbridos (sobretudo) ou elétricos que valham entre 15 a 20% das vendas do Grupo dentro de quatro anos. Embora não seja uma meta muito ambiciosa, atendendo ao historial da FCA neste domínio da eletrificação, esta quota representa um desafio exigente a este Grupo industrial.

A gama Fiat 500 será aquela na qual os híbridos e os puros elétricos mais prevalecerão. Haverá um 500 Giardiniera EV (que recupera, portanto, o nome histórico Giardiniera) e o 500 X deverá ganhar uma proposta plug-in.

A Maserati, por exemplo, terá quatro modelos ou versões de modelos 100% elétricos até 2022 (o Alfieri, quer o coupé, quer o cabrio, serão dois exemplares), para além de oito PHEV. Ao definir este rumo também elétrico para o construtor com o símbolo do tridente, o intuito é ir buscar clientes que, agora, são da Tesla.

Integrado neste esforço de eletrificação, a Jeep não ficará excluída, recebendo 10 PHEV e 4 BEV, até 2022.

Ou seja, depois de ter conseguido colocar no currículo a recuperação do Grupo Fiat de uma possível insolvência, Marchionne tentava agora convencer parceiros industriais de peso (GM e VW foram falados) para relançar a empresa, apontando ao futuro com uma aposta mais séria nos elétricos.

1
Deixe um comentário

avatar
1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
Dani Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Dani
Visitante
Dani

Isto foi o que ele disse em 2017:
“we’re not betting the bank on going fully electric in the next decade. It won’t happen.”

Infelizmente, o legado que ele deixou não é muito convincente do ponto de vista eléctrico. Esperemos que o CEO que o substitui faça melhor.